Três dicas simples para não perder o seu pet

Diariamente, vemos diversos apelos feitos nas redes sociais, de pessoas procurando o seu animalzinho de estimação que se perdeu.

Às vezes um breve descuido em que você deixa o portão aberto, quando percebe, seu pet já fugiu para a rua. Começa então, a saga para achá-lo; mas muitas vezes, sem sucesso algum.

Por isso vamos te dar agora, 03 dicas bem simples, mas que podem evitar que seu animal se perca; e caso ele se perca, vai facilitar a sua volta para a casa.

Primeira dica: Se seu animal saiu para dar uma voltinha e não conseguiu achar o caminho de volta, isso significa que ele não conhece a redondeza onde ele mora. E se ele não conhece, é porque você não está levando-o para passear. Algumas voltas semanais no seu bairro, com o seu pet, já é o suficiente para ele conhecer o local onde mora. Mas é importante que o passeio ocorra a pé e de forma tranquila, para que seu pet vá identificando cada ponto de referência em sua memória.

A segunda dica é colocar placas de identificação, com o nome de seu pet e o seu telefone, na coleira do seu animalzinho. Caso ele se perca, quem encontrá-lo poderá ligar para você, e devolvê-lo.

As plaquinhas podem ser feitas com estes simples chaveiros, que podem ser comprados por menos de R$ 1,00 a peça.

Terceira dica: Escreva o nome na própria coleira do seu animalzinho. Você pode bordar, ou simplesmente escrever em um papel e colar com fita adesiva transparente.

São pequenos detalhes, mas que podem evitar um grande sofrimento no futuro. Afinal, quem nunca teve um animal fujão?

Matéria: Jornalista Danielle Xavier

 

 

 

 

Anúncios

Programa Pet Bauru é sucesso Nacional.

https://i0.wp.com/carvalhoassessoria.com/wp-content/uploads/2015/12/foto-com-Dr.-Pet.jpg

Tamylin Silva, Dr. PET e Danielle Xavier durante cobertura da maior feira Pet da América Latina, que acontece todo ano em São Paulo.

Os amantes de animais de Bauru e região, agora podem contar com um programa de TV só para eles. É o Programa Pet, que vai ao ar todos os sábados, às 17 h, pela TVC Bauru, canal 13 da NET.

As apresentadoras, Danielle Xavier e Tamylin Silva, mostram tudo o que está rolando no mundo pet, apresentando as novidades do mercado, dicas veterinárias, animais para adoção e muito mais. A atração é voltada para toda a família e você ainda pode participar enviando vídeos engraçados do seu pet para ser exibido na TV.

O Programa Pet tem foco social e seu principal objetivo é mostrar o trabalho de ONGs e protetores de animais de nossa cidade.  Há 5 meses no ar, o programa já contribuiu para a adoção de vários bichinhos que antes não tinham lar e nem recebiam carinho.

O Programa também pode ser assistido através do canal no you Tube: https://www.youtube.com/channel/UCFQM4WrMToukxgSUBRi7vJQ

Matéria: jornalista Danielle Xavier

 

 

Pirlo: Um Vira-Lata de Muita Raça

pirlo

O que você faria se  seu amiguinho de quatro patas fosse diagnosticado com uma terrível doença em fase terminal? Como você atravessaria esta fase? Como iria lidar com seus conflitos internos?Quais as loucuras que você faria para salvá-lo?

O livro Pirlo: Um Vira-Lata de Muita Raça conta justamente a história de um cachorro guerreiro que lutou contra a morte, e as loucuras que sua tutora fez para tentar salvá-lo. Mostrando ainda como enfrentar esta fase da melhor forma.

Quem quiser o livro digital gratuitamente, basta clicar no link abaixo. Não é possível baixar o conteúdo, apenas ler. Para quem se interessar pelo livro físico, ele está a venda nas mais diversas livrarias espalhadas pelo país. Acesse sua página no facebook, e compre direto com a autora, se preferir: https://www.facebook.com/Pirlo-Um-Vira-Lata-de-Muita-Raça.

Link do livro: http://www.bookess.com/embed/WdrRsd

Boa Leitura!

Mundo Pet: Moda agora é fazer Pet livro.

livro_petlivreto

Já pensou em ter a história do seu animalzinho  imortalizada em um livro? Pois é, essa é a moda do momento. Já existem no mercado editorial, diversas empresas que realizam este sonho pra você.

O dono conta a história do seu bichinho e reúne as fotos, daí é só entregar nas mãos de um desses profissionais especializados, e aguardar o seu livro ficar pronto.

Uma vez pronto, você poderá distribuir para seus amigos e familiares, que conhecerão a linda história do seu pet, ou simplesmente guardá-lo de recordação em seu arquivo de livros. Com certeza  ele estará entre seus livros preferidos!

pet_book

pet_book2

livro_plus

Fonte: http://www.petretrato.com.br/pet-book-e-pet-livros-tamanhos-e-acabamentos/

Moradores de rua e seus cães.

fotografo

Às vezes o amor e a caridade vêm de quem menos tem condições. Moradores de rua, que muitas vezes são hostilizados e desprezados pela sociedade, dividem o pouco que possuem com animais abandonados.

O fotógrafo Eduardo Leporo, há mais de 3 anos  registra lindas histórias de moradores de rua e seus cães.  Eduardo, que sempre foi apaixonado por cães, queria achar histórias interessantes sobre eles, e curiosamente, achou as mais belas entre as pessoas que moram nas ruas.

Ele pretende, em breve, lançar um livro relatando tudo o que viu. Acompanhe no vídeo abaixo, um pouco dessas histórias, clicando no link:

http://globotv.globo.com/rede-globo/mais-voce/t/editorias/v/amizade-verdadeira-moradores-de-rua-sao-retratados-ao-lado-de-seus-caes/4410009/http://globotv.globo.com/rede-globo/mais-voce/t/editorias/v/amizade-verdadeira-moradores-de-rua-sao-retratados-ao-lado-de-seus-caes/4410009/

Conheça 7 animais de estimação muito mais ricos do que você

1º Gunther IV

O pastor alemão Gunther IV é o animal mais rico do mundo, contando com £ 227 milhões (ou extraordinários R$ 1,1 bilhão!) a sua disposição. O mais curioso é que o cão não recebeu esse dinheiro todo diretamente de um humano podre de rico — e insano —, mas sim como herança de seu pai, Gunther III.

Segundo Claudia, em 1992, quando a condessa austríaca Karlotta Liebenstein faleceu, ela deixou £ 60 milhões (ou cerca de R$ 290 milhões) para Gunther III. E o pastor alemão devia ter um faro especial para as finanças, pois conseguiu multiplicar sua fortuna — que acabou sendo passada para seu filho, Gunther IV. Quer ficar mais indignado ainda?

O filho ricaço, além de se alimentar de filé e caviar, tem todas as suas necessidades atendidas por um mordomo e uma empregada. Além disso, Gunther é levado diariamente para passear de carro— por um chofer, evidentemente —, e sua rotina inclui tratamentos de beleza e mergulhos em uma piscina construída especialmente para ele. Calma, tem mais… o cão ainda é dono de um casarão nas Bahamas e de uma mansão em Miami que pertenceu à Madonna.

2º – Olivia Benson

Uma gatinha que trabalha como modelo — e recebe muito bem por isso, obrigada! — é Olivia Benson, a companheira de Taylor Swift. Com cerca de £ 66 milhões (perto de R$ 320 milhões) na conta, Olivia é garota propaganda da Diet Coke e da marca de calçados Keds junto com sua dona, e está negociando um contrato com a marca de cosméticos Elizabeth Arden.

3º – Choupette

“Filha” do famoso estilista alemão Karl Lagerfeld, Choupette possui £ 66 milhões (perto de R$ 320 milhões) na conta, dos quais £ 2,2 milhões (ou mais de R$ 10 milhões) ela recebeu por apenas dois trabalhinhos como modelo. E a gatinha tem um bocado de fãs — somando mais de 60 mil seguidores no Instagram e 48 mil no Twitter.

De acordo com Claudia, Choupette costuma viajar em jatinho particular acompanhada de duas funcionárias e um guarda-costas, e como qualquer diva que se preze, a gatinha lançou uma biografia intitulada “The Private Life Of A High-Flying Fashion Cat” no ano passado.

4 º– Grumpy Cat

Você certamente já ouviu falar do Grumpy Cat, não é mesmo? Pois apesar da carinha de mau humor, a gata que se transformou em um dos memes mais conhecidos do mundo conquistou uma fortuna avaliada em £ 66 milhões — ou o equivalente a cerca de R$ 320 milhões!

A “carreira” da felina começou em 2012, depois que uma foto dela foi postada no Instagram e se transformou em viral. De lá para cá, Grumpy Cat acumulou mais de 660 mil seguidores nessa rede social, 280 mil no Twitter e mais de 7,5 milhões de curtidas no Facebook.

Além disso, conforme contou Claudia, a bichana tem seu próprio site e já apareceu em programas de televisão, comerciais, capa de livro, tem um café nomeado em sua homenagem e estrelou em um filme. Bem, com tanto trabalho na agenda, não é a toa que Grumpy Cat continua pra lá de mal-humorada!

5º– Tommaso

Se você costuma associar gatos pretos com azar, espere para você conhecer a história de Tommaso. O bichano era um mero gato de rua pulguento até ser adotado por uma viúva italiana chamada Maria Assunta. Pois, segundo Claudia, a mulher era uma baita ricaça — dona de diversas propriedades e titular de várias contas bancárias —, e como não tinha filhos, resolveu tornar o vira-lata seu herdeiro.

Acontece que as leis italianas não permitem que animais sejam nomeados como herdeiros diretos. Então, Maria deixou tudo para Tommaso através de sua enfermeira — que ama gatos e não fazia ideia que a viúva era rica. O gato herdou uma fortuna avaliada em £ 8,5 milhões (ou mais de R$ 40 milhões), e a enfermeira cuida do animal em um local não divulgado próximo a Roma. E não existem fotos de Tommaso para evitar o risco de que ele seja sequestrado.

6º – Conchita

Conchita, a chihuahua da imagem acima, pode não ser o animal mais rico do mundo, mas, sem dúvida, é um dos mais mimados! Gail Posner, a dona da cachorrinha, disse que costumava gastar cerca de £ 7 mil por mês (ou R$ 34 mil) com Conchita, e que já tinha dado a ela um colar de diamantes da Cartier avaliado em £ 10 mil (ou perto de R$ 50 mil).

Além disso, Conchita ainda contava com bolsas da Louis Vuitton no armário, assim como roupinhas, joias e maquiagem, e todas as semanas ia à manicure. De acordo com Claudia, Posner faleceu em 2010, e deixou para a da chihuahua uma fortuna avaliada em £ 6,8 milhões — ou cerca de R$ 33 milhões — entre propriedades e bens.

7º – Sadie e companhia

Não é segredo que Oprah Winfrey é dona de uma bela fortuna. Pois a apresentadora decidiu partilhar seus bens com Luke, Layla, Lauren, Sadie (que aparece na foto acima) e Sunny, seus dois golden retrievers e três springer spaniels, respectivamente. Segundo Claudia, mais precisamente, Oprah dividiu £ 18 milhões (quase R$ 88 milhões) entre os cinco bichinhos, o que significa que cada tem direito a £ 3,6 milhões — ou perto de R$ 18 milhões.

Fonte: http://www.megacurioso.com.br/animais/71410-conheca-7-animais-de-estimacao-muito-mais-ricos-do-que-voce.htm

10 curiosidades sobre animais que vão te fazer sorrir

Quanto mais conhecemos os animais, mais passamos à admirá-los. Um simples gesto de um animalzinho, pode ter muitos significados; e a medida que aprendemos à decifrá-los, estreitamos nosso relacionamento com os bichos e a natureza. Quem sabe um dia viveremos em perfeita harmonia; animais, homens e natureza.

Veja abaixo 15 fatos que vão te fazer repensar sobre a essência dos animais:

Filhotes machos deixam as fêmeas ganharem na brincadeira, mesmo sendo mais fortes fisicamente

Lontras dormem de mãos dadas para não se perderem na corrente de água

Esquilos plantam milhares de árvores ao esquecerem as sementes que recolheram

Golfinhos dão “nomes” para cada indivíduo de um mesmo grupo

Macacos da neve do Japão fazem bolas de neve por diversão

Cavalos marinhos formam pares para o resto da vida. E quando nadam depois de juntos, não se largam, se segurando pelo rabo

Pintinhos podem se comunicar com seus irmãos e sua mãe mesmo que estejam dentro dos ovos

Marcas no nariz de cães funcionam como as digitais em humanos. Cada cão tem um padrão e pode-se identificar cada indivíduo através deles

Esquilos adotam bebês esquilos abandonados

Pinguins do gênero Pygoscellis propõe casamento às fêmeas dando uma pedrinha

Fonte: https://www.biologiatotal.com.br

5 ideias para aquecer um animal de rua neste inverno.

Nestes dias de inverno, os animais de rua sofrem ainda mais devido ao frio. Embora possuem pelagem natural para protegerem seu corpo, somente isto não é suficiente para mantê-los aquecidos, quando as temperaturas caem muito.

Sabemos que apesar de sentirmos pena de nossos amigos peludos, nem sempre podemos levá-los para as nossas casas, mas saiba que com um pouco de criatividade você pode ajudá-los a se protegerem do frio. Veja abaixo algumas dicas:

Este é um lindo exemplo: Donos de um posto de combustível na cidade de Porto Alegre, compraram bacias comuns e forraram com panos, transformando-as em casinhas para cães de ruas que dormem no local.

Na cidade de Curitiba -PR, a prefeitura realiza o projeto Cão Comunitário, que cuida de quase todos os cães abandonados nos terminais rodoviários. A própria população também colabora bastante. Na foto, alguns cães ganharam roupinhas de frio para aquece-los, neste inverno.

Usando a criatividade, uma simples lata de tinta pode virar uma casinha.

Sabe aquelas caixinhas de leite, que você joga fora? Pois é, elas podem se transformar em uma linda casinha para um animal carente. O bom é que elas são plastificadas e resistentes à água, mas você ainda pode revestir a casinha, depois de pronta, com um plástico de insulfilme para proteger ainda mais da chuva.

Em uma emergência, até uma simples caixa de papelão, pode virar uma casinha. Basta revesti-la com um plástico, forrar com panos e colocar no local, onde o animal fica.

Historia da gata Brigite – 1972

oddone 2

Por CLAUDIO ODDONE

Esta é uma historia real do ano de 1972, ocorrida há mais de 40 anos.Eu tinha 13 anos e morava com minha família em uma casa no subúrbio do Rio de Janeiro. A casa era grande, com 2 pavimentos e um enorme quintal atrás, cercado com muros altos e varias arvores . Na frente tinha um muro baixo com jardins. No quintal havia uma cachorra que se chamava Bolinha . Apesar do nome, ela era de porte grande e bem brava, principalmente com pessoas estranhas. Ela era uma cadela vira-lata branca, que tinha uma bolinha preta no corpo, dai esse nome. Bolinha era uma cadela vira-lata adotada por nosso família . Ela parecia retribuir o carinho a atenção que recebia tomando conta do quintal e da casa , tanto de dia quanto de noite. Bolinha era muito brava, latia muito, nenhum estranho se atrevia a invadir o quintal, tanto pessoas quanto animais. O quintal era bem grande mas bolinha estava sempre atuante, tomando conta da nossa casa. Foi diante desse cenário que, um certo dia, uma gatinha tricolor tipo escaminha apareceu no quintal procurando comida. Ela deve ter entrado pela parte da frente da casa, pois era o único lugar em que o muro era baixo, e por certo não sabia que havia uma cachorra brava lá em casa. Ela encontrou alguns restos de comida que estavam dentro de uma lata de lixo e começou a comer. Estava com muita fome. Eu fui o primeiro a ver a gatinha lá em casa revirando o lixo, e logo fiquei apreensivo com o perigo extremo dessa situação. Felizmente nessa hora Bolinha estava dormindo no fundo do quintal. Fui correndo chamar meus pais e irmãos mas logo depois que eles chegaram ao lado da lata de lixo Bolinha acordou. Bolinha veio rapidamente ao nosso encontro ao lado da lata de lixo, já sabia que algo estranho estava acontecendo, e rapidamente se deparou com a gatinha invasora dentro do lixo e começou a latir freneticamente. Não sabíamos o que fazer. A gatinha saiu da lata do lixo e ficou parada ao lado. Bolinha tentou se aproximar para cheirar a gatinha. Ela permaneceu imóvel e logo a seguir deu uma patada arranhando o focinho da Bolinha, que saiu correndo e ficou observando de longe. Bolinha , que já tinha colocado muitos gatos para correr, desta vez ficou sem ação, pela primeira vez um gato, ou melhor, gata enfrentava uma situação de confrontamento com ela demonstrando coragem e superioridade. Da mesma forma, toda a família ficou perplexa com a cena, resolvemos levar a gatinha para dentro de casa, demos comida , observamos que apesar de valente era uma gatinha muito dócil, queria apenas atenção e um lar. A partir desse dia a gatinha foi adotada por nossa família, passou a ser chamar Brigite e se tornou parte de nossa família. A cadela Bolinha com o tempo se acostumou com sua presença, e ambos se tornaram até amigos. Alguns meses se passaram e constatamos que Brigite estava grávida. Essa condição especial em nenhum momento afetou nossa relação com ela , muito pelo contrario, nossa família deu total apoio durante toda a gravidez da gatinha. O dia do parto eu lembro muito bem. Foi um sábado a tarde, eu assisti tudo. Começou as contrações e levamos Brigite para um quarto de empregada desativado que tinha lá em casa . Meu pai foi o “parteiro” e eu fiquei no canto do quarto observando a cena. Incrível o instinto das gatas. Não era preciso fazer nada. Os gatinhos nasciam todos molhados, com olhos fechados e já miavam. A Brigite lambia todos os recém nascidos e comia a placenta até chegar próximo ao umbigo. Depois de algumas horas haviam nascido 5 gatinhos : 2 machos amarelinhos, 1 macho todo preto, uma fêmea preta e branca tipo frajolinha e uma fêmea escaminha igual a mãe. Rapidamente os novos gatinhos se tornaram a atração da casa. Brigite estava sempre ao lado da ninhada para amamentação . Tudo corria bem, até que mais um fato inesperado aconteceu. Um mês depois do parto, durante o meio da noite, Brigite começou a carregar os gatinhos. Ela carregou os gatinhos um por um. Tirou do quarto de empregada que estavam até então, subiu as escadas da casa até o segundo andar, foi até o quarto dos meus pais e colocou todos os gatinhos embaixo da cama dos meus pais. Ninguém estava entendendo o motivo dessa atitude, até que constatamos que Brigite estava passando muito mal. Tudo indicava que ela havia ingerido algum veneno ou produto químico . Ela largou os gatinhos embaixo da cama e deitou no chão ao lado da cama com a língua para fora . Todos nos acordamos e ficamos ao lado dela, mas não havia muito o que fazer , era plena madrugada de domingo. Ficamos de vigília até a manhã de segunda feira, mas as 6 horas da manhã ela teve o ultimo suspiro, e se tremeu toda e morreu. Era o fim. Foi essa a ultima imagem que tive de Brigite, o seu tremor final. Eu ainda perguntei ao meu pai : Papai, porque a Brigite se tremeu toda, ela está se espreguiçando? Ele respondeu: Não meu filho, nossa Brigite acabou de morrer… Não havia mas nada a fazer. Levamos o corpo de Brigitte para o jardim lá de casa e enterramos em um local especial . Ficamos perplexos com a situação. Parecia que Brigite sabia que seu fim estava próximo, e ainda teve força de carregar todos os gatinhos para perto dos meus pais, como se estivesse dizendo “CUIDEM DOS MEUS GATINHOS PARA MIM”. Os dias que se seguiram foram muito difíceis. Os 5 gatinhos órfãos tinham menos de 1 mês e não eram desmamados, procuravam desesperadamente a mãe e não encontravam. O que fazer? Naquele tempo não havia internet, as informações eram escassas e difíceis . Meu pai comprou uns recipientes pequenos de plástico que tinham um bico fino , improvisamos com eles umas mamadeiras e passamos a dar leite (de vaca mesmo), a todos os 5 gatinhos. Toda a família entrou nessa empreitada. Era bem difícil, os gatinhos não entendiam essa situação. Muito leite caia no chão, mas ao menos uma parte eles tomavam. Nossos esforços valeram a pena. Todos os 5 gatinhos sobreviveram. Depois de 3 meses passaram a se alimentar com comida . Minha mãe comprava sardinha na feira e também fazia comida especialmente para eles. Naquela época não havia as rações industrializadas que existem hoje. Os 5 gatinhos cresceram , doamos os 2 gatinhos amarelinhos e adotamos os outros 3 gatinhos, que posteriormente foram castrados (uma operação caríssima na época, quase ninguém fazia nos anos 70) Os 3 gatinhos viveram com nossa família mais de 15 anos, morrendo somente de causas naturais da velhice. posteriormente adotamos muitos outros gatos. Hoje são decorridos mais de 40 anos, mas a lembrança de nossa primeira gatinha Brigite permanece até hoje, e ficamos orgulhosos de ter conseguido atender o seu ultimo desejo.

CLAUDIO ODDONE    

oddone 3   oddone 1

Arraial Pet em Bauru

arraial 3

Foi realizada em Bauru, a primeira festa junina canina, organizada pela protetora Sandra Regina da ONG SOS Gatinhos.

O arraial contou com desfiles de cães em trajes típicos; sendo premiados os mais caracterizados.

Foi uma festa junina completa, com direito a barracas típicas, muita comida gostosa, musica boa e brincadeiras. O diferencial é que os cães abrilhantaram ainda mais o evento, e muitos defensores da causa animal puderam se encontrar e fortalecer os laços em prol da causa.

Todo lucro da festa foi doado para Ongs e protetores de animais.

arraial 2         arraial 6

arraial 4   arraial 7

arraial 8    arraial 10 arraial 11  arraial 12 arraial 13 arraial 14

arraial 15 arraial 16 arraial 19 arraial15

Filhotinhos resgatados: Antes e Depois.

Esses 04 filhotinhos foram abandonados a própria sorte. Jogados na beira do rio, dentro de uma caixinha de sapato; sem chance alguma de sobreviverem sozinhos. Porém seus choros foram ouvidos e eles conseguiram ser resgatados.

Poderiam estar mortos agora, porém tiveram a chance de conhecer o lado bom do ser humano, sendo adotados e recebidos no calor de um lar, que agora poderão chamar de ” seu”.

Veja fotos de quando foram resgatados e semanas depois, quando já estavam nos novos lares. Bauru – SP.

Quando foram encontrados

h23h22

h21h19

h20help 2

Depois, quando ganharam um lar.

h14

h17

h6

h8

h11

h13

h10

help 3

h5

h16

h15      h7

h4

help 1

Cão abandonado é resgatado do pico mais alto da Polônia

cão montanha

Um cão abandonado foi resgatado do pico mais alto da Polônia, o Monte Rysy, com cerca de 2.500 metros de altitude, informa a Associated Press. Segundo a agência de notícias, ele provavelmente foi deixado lá para morrer, mas acabou descoberto por um grupo de alpinistas na sexta-feira (5). Usando cordas e correntes, eles conseguiram tirar o animal do pico gelado numa operação que demorou 10 horas — em parte porque o cão não estava colaborando com o resgate.

Fonte: http://g1.globo.com/natureza/noticia/2015/06/cao-abandonado-e-resgatado-do-pico-mais-alto-da-polonia.html

Dicas de literatura Pet

Ler é muito bom, ainda mais quando a leitura nos ensina à cuidar e entender melhor nossos pets.  E para que você, amante dos peludos, possa conhecer histórias fascinantes vividas pelos animais, separamos alguns livros que, com toda certeza, você vai adorar.

Venha viajar conosco neste admirável mundo pet!

mocinha-desistir-nunca-foi-uma-opcao

Desistir nunca foi uma opção.

Mocinha era uma vira-lata que foi adotada por Daniel Guth e Julia Bobrow quando estava prestes a ser sacrificada. Um ano após sua chegada, uma misteriosa doença degenerativa se manifestou. Aos poucos, Mocinha foi perdendo os movimentos das patas dianteiras e, logo depois, das traseiras. Mesmo com dificuldades de locomoção e outros problemas de saúde, era cada vez mais amada pelos tutores. Mais que um bichinho de estimação, ela se tornou um membro da família. A tetraplegia levaria qualquer um a considerar a eutanásia. Menos os pais de Mocinha. Para eles, desistir nunca foi uma opção. Apesar de todos os problemas, Mocinha demonstrava uma incrível vontade de viver que foi documentada em sua página do Facebook, tornando-se um exemplo na luta pelos direitos dos animais com deficiência. Acompanhada de reflexões, fotos inéditas e dicas valiosas para cuidar de um cão com paralisia, em “Desistir Nunca Foi Uma Opção”, de Daniel Guth e Julia Bobrow, conheça a história de amor e superação de Mocinha que mostra que, sim, todos nós temos direito a uma vida plena e feliz.

bob

Um gato de rua chamado BOB

É uma tarde de outono em Covent Garden, Londres. Trabalhadores correm para o almoço, turistas brotam de todos os lados e clientes entram e saem das lojas.No meio de tudo isso está um gato. Usando um vistoso lenço Union Jack em volta do pescoço e cercado por uma multidão de 30 espectadores de boca aberta, Bob, o gatinho cor de laranja,  sorri – timidamente.

Próximo a ele, está seu dono James Bowen, com seu violão surrado, cantando músicas do Oasis. Então, ele para de tocar e se abaixa para Bob: “Vamos, Bob, cumprimente!”, diz. Bob mexe os bigodes, levanta uma pata e a estende para James. A multidão assobia. Não é todo dia que se vê um gato sentado, calmamente, no centro de Londres, aparentemente sem se abalar com o barulho das sirenes, os carros passando e todo aquele movimento – mas Bob não é um gato comum…

anjo-de-quatro-patas-walcyr-carrasco

Anjo de quatro patas

Walcyr Carrasco, escritor, autor de novelas da Globo e crônicas da Revista Veja São Paulo, lança ‘Anjo de quatro patas’, cujo enredo aborda a amizade e o companheirismo com o fiel Uno, um husky siberiano. Misturando ficção com realidade e Apurando ainda mais o estilo irônico de seus textos, Carrasco consegue ser emotivo e divertido ao mesmo tempo quando relembra as aventuras e alegrias com o animal de estimação, que ganhou fama ao ser tema de sua coluna, em novembro de 2006.

os caes nunca deixam de amar

Os cães nunca deixam de amar

A emocionante história de uma advogada, seu cão adorável e um diagnóstico devastador. Namorado novo, casa nova. Teresa Rhyne está tentando reestruturar a sua vida depois de dois casamentos fracassados. Porém, pouco tempo depois de ter adotado Seamus, um beagle totalmente incorrigível, os veterinários atestam que o cãozinho tem um tumor maligno e menos de um ano de vida. O diagnóstico deixa Teresa devastada, mas ela decide lutar e aprender tudo que está ao seu alcance sobre o melhor tratamento para Seamus. A bem-sucedida advogada não tinha como saber, naquele momento, que estava se preparando para o próximo grande obstáculo de sua vida: um diagnóstico de câncer de mama.

odisseia-homero-01a

A ODISSEIA DE HOMERO

Todo mundo que tem gatos sabe que eles são dotados de uma sensibilidade incrível e possuem uma forma peculiar de encarar a vida. Mas Homero tinha muito mais a ensinar. Abandonado, cego e rejeitado, ele tinha tudo para ser amuado e medroso. Ninguém imaginaria que um gato sem os olhos – que precisaram ser retirados cirurgicamente para garantir sua sobrevivência – seria capaz de levar uma vida normal, com a alegria e a esperteza características dos felinos. Contrariando todas as expectativas, Homero vivia como se seus olhos não lhe fizessem falta. Era bagunceiro, implicante, temperamental, divertido e dengoso como qualquer outro gato. Gwen Cooper fazia questão de afirmar que ele não era diferente. Mas ele era. Diferente não por causa da falta de visão, mas por sua capacidade de fazer aflorar nas pessoas o que elas tinham de melhor. Parecia haver em seu espírito uma sabedoria oculta e uma energia latente que inspiravam todos à sua volta. Homero se tornou o centro do mundo de sua dona. Foi se esforçando para garantir a segurança do seu gato que ela aprendeu a estabelecer a sua própria. Foi preocupando-se com a felicidade dele que Gwen percebeu quanto estava sozinha. E foi lhe oferecendo um amor incondicional que ela permitiu que esse sentimento entrasse em sua vida. Mais do que um livro divertido e comovente sobre as aventuras de um gatinho, A odisseia de Homero é uma história de superação, de autoconhecimento, de transformação e de crescimento pessoal. Ela vai fazer você rir, se emocionar e compreender que, para conseguir o que queremos da vida, muitas vezes precisamos dar um salto no escuro, da mesma forma que Homero: confiando em nossos instintos e acreditando que sempre cairemos de pé.
__christianUm LEÃO CHAMADO CHRISTIAN

“Um vídeo de dois minutos exibido no Youtube e assistido por milhões de pessoas transformou Um leão chamado Christian num dos maiores fenômenos da Internet de todos os tempos. Tudo começa quando dois rapazes em Londres se encantam por um filhote de leão à venda na Harrods e o criam como um bichinho de estimação. Quando cresce, Christian é levado para a África, onde volta à vida selvagem. É lá que revê seus antigos donos, a quem recebe com a felicidade de uma criança que reencontra seus pais. Neste livro com mais de 60 fotos, você vai conhecer toda a história do leão mais fofo do mundo”.

pirlo livro

Pirlo: Um Vira-Lata de Muita Raça

O que você faria se descobrisse que seu animalzinho de estimação, que você tanto ama, foi diagnosticado com uma doença em fase terminal? Qual seria a sua reação?
O livro ‘Pirlo – Um Vira–Lata de Muita Raça’, da jornalista Danielle Xavier, narra exatamente a experiência da autora diante desta notícia tão impactante.
Xavier relata a história de seu cãozinho Pirlo, que foi identificado com uma doença renal crônica já em fase final e como encontrou forças para lutar ao lado dele, trazendo qualidade de vida e alegria aos seus últimos meses de vida.
O livro narra todas as emoções e dificuldades que ela enfrentou, retratando ainda seus conflitos interiores, assim como a sua rotina diária de amor, carinho e loucuras para salvar seu melhor amigo.
Além de ser uma linda história de amor e amizade entre um cão e sua dona, o livro ainda levanta importantes reflexões e debates sociais sobre a causa animal, o preconceito da sociedade em relação aos animais sem raça definida e o descaso do poder público com os animais de rua e carentes.
Para a autora o livro pode servir de auxílio às pessoas que estejam vivendo uma situação parecida e desejam atravessar esta fase da melhor forma.

Os gatos mais famosos da Internet

Que os gatos  conseguem tudo o que querem de nós, com suas carinhas fofuchas e olhares meigos, todo mundo já sabe. Acontece que agora eles estão conquistando o mundo e estão se tornando celebridades.

Confira neste post, quem são os gatos que estão “bombando” na internet.

Tardar Sauce, o gato que está sempre zangado

Além de famoso, ele também é um dos gatos modelo, mais bem pagos do mundo.

gato 1  gato 2

Vênus, o gatinho de duas cores

gato 3  gato 4

Snoopy, o gatinho fofucho

gato 5  gato 6

gato 7  gato8

Monty, o gatinho que consegue tudo o que quer, com sua carinha de coitado.

gato 9  gato 10

Nala, a gata que está sempre chocada

gato 11   gato 12

Shironeko, o gatinho mais dorminhoco do mundo

gato 13  gato 14

gato 15 gato 16

LiL Bub, o gatinho que está sempre com a língua pra fora.

gato 17  gato 18

Seu pet nos Bichos Curiosos da Rede Record

bichos curiosos

O quadro “Bichos Curiosos” que é transmitido no programa Domingo Espetacular, da Rede Record,  todos os domingos às 19h30, está completando seu episódio de número 100. E para comemorar, o programa vai apresentar um episódio inteirinho com os bichinhos dos telespectadores.

Para inscrever o vídeo de seu bichinho, basta acessar o link: http://tv.r7.com/envie-seu-video  e torcer para que seu pet esteja entre os escolhidos para aparecer no programa.O vídeo pode ser de qualquer animal, e deve mostrar alguma habilidade que ele tenha, um fato curioso ou algo engraçado.

Boa Sorte!

Criança pede ração de presente de aniversário, para doar às ONGs

criança

Ser mãe não é simplesmente gerar e cuidar do filho. Sua tarefa vai além: está no educar também. E bem perto da data de homenagem oficial a todas as mamães, Flávia Regina dos Santos Ueda, 37 anos, teve uma prova de que a filha Rafaela dos Santos Ueda Toledo, 3 anos, aprendeu algo que sempre a guiou: o amor aos animais. Neste ano, a pequena decidiu que não queria brinquedo de presente de aniversário. Ela pediu ração para doar aos animaizinhos que precisam.

Flávia conta que sempre foi bastante participativa na ajuda a Organizações Não-Governamentais (ONGs), colaborando com rações, sachês, verbas, enfim, de acordo com a necessidade de cada entidade nos respectivos momentos.

A pequena Rafaela já nasceu nesse contexto de amor aos animais. Quando veio ao mundo, a mãe Flávia já tinha os gatos Isis, John e Mitra. No final do ano, mais precisamente em dezembro, veio a gatinha Anuket, 4 meses, cujo nome é uma homenagem à deusa da mitologia egípcia. O seu nome significa “abraçar” e ela é o xodó da pequena Rafaela.

Atitude

Como sempre procura ajudar entidades que cuidam de animais abandonados, Flávia sugeriu à filha que recebesse doações de ração, ao invés de brinquedos. “Ela já tem de tudo, muitos brinquedos. Perguntei a ela se ela queria ajudar e ela ficou toda animada. Alguns convidados até trouxeram dois presentes, mas eu avisei que não precisava”.

No convite, os dizeres deixavam claro: “A princesa Rafaela apoia a causa animal e então gostaria de ser presenteada com ração de cachorro ou gato para serem doados à SOS Gatinhos, que faz o resgate de animais carentes”.

“Conseguimos 18 pacotes de ração, que foram doados à ONG, que também costuma a ajudar protetores independentes. Ficamos muito felizes”, comemora Flávia. A festa solidária da Rafaela aconteceu no último dia 25 de abril, data em que a pequena completou 3 anos de vida.

Lição

Para Flávia, o bom exemplo vem de berço, como diz a cultura popular. Por isso, a mãe sabe que é importante a criança aprender desde cedo que animal merece respeito. “Acho muito importante que a criança entenda que é uma vida, não é um objeto. Não pode maltratar, tem que saber cuidar. A criança deve aprender desde pequena. Quanto mais contato, mais respeito ela terá, porque fica algo natural”, finalizou Flávia Ueda. Vendo a pequena Rafaela com a gatinha Anuket dá para ter certeza que ela aprendeu a lição.

Fonte: http://www.jcnet.com.br/Geral/2015/05/ao-inves-de-presentes-ela-pensou-nos-animais.html#prettyPhoto

Rafaela Ueda Toledo pediu ração no lugar de presentes em sua festa de aniversário de 3 anos.
 

Cão Comunitário em Bauru

casinha 1casinha 2casinha 3 casinha 4 casinha 5

Ver animais abandonados espalhados pelas ruas, infelizmente, tem se tornado um fato rotineiro. Ainda bem que para cada parcela de pessoas maldosas, que abandonam seus animais, existe uma parcela de pessoas generosas, que os acolhe e lhes dá amor.

Em Bauru, no bairro Jd. Flórida, encontramos os cachorros Tico e Tiquinho, que foram abandonados por estarem velhos e doentes, mas graças ao amor e união dos moradores, eles foram acolhidos e recebem os cuidados necessários.

Os cães ganharam até uma casinha, de uma ONG, onde dormem a noite e podem se esconder do frio e da chuva.

Todas as despesas com rações e remédios, são divididas entre os vizinhos e eles se revezam para alimentá-los diariamente.

Tico e Tiquinho já viraram patrimônio dos moradores e correm saltitantes cada vez que avistam um deles.

” Ele é o nosso xodó e só sai daqui , se for para um lar que tenha muito amor”, declara uma das moradoras.

Tico e Tiquinho são cães de sorte, que foram abandonados por seus donos, mas que agora possuem muitos cuidadores, que os amam.

Seria muito bom se todos os animais abandonados, tivessem a chance deles; por isto fica o exemplo, para que as comunidades possam se espelhar e fazer o mesmo, enquanto o poder público não faz a parte dele.

Como fazer uma festa para cachorro

niver caes

Foi-se o tempo em que festa para cachorro era sinônimo de ficção e cena de novela. Nos dias de hoje, em que os donos de pets disponibilizam cada vez mais tempo e, principalmente, dinheiro, para agradar seus amiguinhos caninos, surgem cada vez mais empreendimentos dedicados ao mundo animal, apostando em serviços que incluem desde tratamentos estéticos até o planejamento de festas.

Convites, salões, quitutes, atrações, decoração e até lembrancinhas já fazem parte de boa parte dos pacotes de festa para cachorro disponibilizados pelas empresas desse setor específico, não havendo limites para a criatividade.

Essa moda, que teve a socialite Vera Loyola como uma de suas maiores precursoras – ao realizar uma festa de aniversário para sua cadelinha cheia de convidados de duas e quatro patas, nos anos 90 – não para de crescer no País, e os tipos de evento que podem ser organizados especialmente para cães já são muitos, contando com uma variedade de temas e produtos especiais quase tão grande quanto a que o mercado oferece para os humanos.

Como já citamos anteriormente, nos dias de hoje não é difícil encontrar empreendimentos totalmente direcionados para a realização de festas para todos os tipos de pet. No entanto, as festas para cachorro seguem como as mais populares do segmento, e ganham, a cada dia, novos adeptos e produtos para incrementá-las. Alguns hotéis e creches para cães dos dias de hoje já incluem serviços de realização ou auxílio especial para o planejamento de eventos para pets em seus portfólios, contando, ainda, com espaços onde as comemorações podem ser abrigadas.

Este tipo de empresa e de profissional aposta, principalmente, no mundo virtual para fazer a divulgação de seus serviços.

Por meio da contratação desse serviço, o dono do bichinho de estimação que será celebrado com um evento tem a vantagem de não precisar se preocupar com todos os detalhes específicos que envolvem uma festa para cães – e incluem desde a escolha de comidinhas para pets até o posicionamento de itens decorativos (que podem chegar a causar danos aos animais quando não são feito de maneira adequada).

A média de preço praticada por quem presta esse tipo de serviço é variada, no entanto, na maioria das vezes a cobrança é feita de acordo com o número de convidados da festa, incluindo tanto os amigos pets como seus donos. Em uma das empresas consultadas, por exemplo, o preço adotado por pet é de R$ 25 (havendo um número mínimo de 15 convidados de quatro patas para a realização da festa canina), sem incluir os valores referentes aos convidados humanos e decoração.

Há, ainda, os donos de pets que prefiram realizar as comemorações de seus cãezinhos em seu próprio lar, e também é possível encontrar profissionais que prestem este tipo de serviço, e vão até a casa do animal para tratar de todos os diferentes aspectos de uma festa canina. Mesmo os proprietários que desejam fazer, por conta própria, uma celebração para seus pets, podem encontrar empresas capazes de fornecer todo tipo de produto e acessório para o evento.

Gastronomia canina

cão taça

Um dos aspectos mais interessantes no mundo das festas para cães é a gastronomia, que de tão avançada já pode competir (visualmente, pelo menos) com o mundo dos humanos. Apostando em embrulhos e detalhes cheios de elegância, cor e delicadeza, os petiscos de festa para pets podem ser encontrados em quase todo tipo de versão e forma, possibilitando que a decoração da mesa de comidinhas dos cães seja até mais atrativa que o restante da festa.

A variedade de quitutes inclui desde bolos decorados até brigadeiros, pupcakes (cupcakes para cães), brownies, bolachinhas, grissinis, shortcakes e pretzels. Todo tipo de comida pode, ainda, ser produzido em formatos diferentes e mais atraentes para os pets, como os que imitam ossinhos e até pequenos sorvetes. Apostando em muita cor e em embalagens diferentes (como as de pipoca e as de porta-docinhos tradicionais), as mesas de festas caninas podem atrair mais a atenção dos donos de pet que dos próprios animais.

É importante lembrar que os ingredientes usados para a confecção de qualquer tipo de quitute canino devem ser escolhidos de acordo com as regras de uma boa alimentação animal, evitando que (assim como os humanos normalmente fazem em festas) eles exagerem na comilança ou na dose de açúcar.

Acessórios, decoração e cuidados em festas de pets
cão bixigas

Painéis especiais, letreiros, cartõezinhos indicativos para comidas e chapeuzinhos de aniversário também podem fazer parte do pacote da festa para cachorro, e há quem opte, ainda, pela distribuição de lembrancinhas para marcar o evento. Saquinhos para que o dono possa levar para casa alguns petiscos para seu pet podem ser uma boa opção, assim como acessórios e brinquedinhos típicos para cães.

A contratação de um profissional para a realização da festa de seu pet tem o apecto da decoração como uma de suas principais vantagens, já que alguns cuidados especiais devem ser tomados para evitar que algum animal possa ser prejudicado. Comuns em todo tipo de comemoração, as bexigas devem receber atenção especial ao serem incluidas numa celebração de pets, pois, por terem a audição muito mais sensível que a dos humanos, os animais podem se prejudicar com o alto barulho de estouros.

É indicado, portanto, que esse tipo de apetrecho seja colocado em algum lugar bem alto no espaço da festa, evitando o alcance dos cães (que dificilmente resistirão a brincar com as bolas grandes e coloridas) e até das pessoas. Dito isso, fica claro que a seleção de músicas para animais em uma festinha desse tipo também deve ser feita criteriosamente, evitando melodias muito pesadas ou um volume exageradamente alto.

Outro ponto importante a se atentar nesses eventos é a lista de convidados. Quem organiza a festa deve conhecer os demais pets que farão parte da celebração, e a lista deve ser composta, apenas, por animais que apresentem um bom comportamento na maior parte do tempo – tendo em vista que a reunião de pets em um mesmo ambiente pode facilitar brigas entre os animais.

Feito isso, basta aguardar a data do evento e se divertir na companhia de seu bichinho de estimação e seus amiguinhos, podendo, ainda, trocar experiências com os outros convidados proprietários que levarem seus cães à festinha.

Fonte: CachorroGato @ http://www.cachorrogato.com.br/cachorros/festa-para-cachorro/

Ração seca, semiúmida ou enlatada: qual é a melhor?

racao

Como com muitas coisas, não há uma única resposta a esta pergunta. Seu animal de estimação é um indivíduo, e quando tomar uma decisão sobre que tipo de dieta alimentar, é preciso considerar, entre outras coisas, a idade do seu animal de estimação, tamanho, raça, e quaisquer problemas de saúde existentes. E, claro, você também precisa considerar o teor de nutrientes da dieta que você o alimenta. Recomendamos sempre alimentar com uma dieta de qualidade recomendada pela AAFCO (Associação de Controle de Alimentação Americana), direcionada para a etapa da vida do cão. Nós preferimos uma dieta com carne como o primeiro ou segundo ingrediente listado, e sem quaisquer conservantes artificiais ou corantes.

Geralmente, não recomendamos os tipos semiúmidos de alimentos, porque eles tendem a ser muito ricos em sal e açúcar. Cães e gatos não precisam de tanto sal e açúcar em sua dieta. Além disso, alimentos pegajosos, açucarados podem contribuir para a doença dental.

Enquanto a cárie dentária (cavidades) está relacionado a quantidade de açúcar na dieta das pessoas, a cárie dentária é frequente em cães e raro em gatos. A perda de dentes em cães e gatos é muito mais comumente associada a gengivite e doença periodontal, onde a inflamação e infecção do tecido gengival causa afrouxamento e retração da gengiva ao redor do dente, o que, eventualmente, leva à perda do dente. Alimentos pegajosos, açucarados podem contribuir para o desenvolvimento de gengivite e doença periodontal. Em geral, recomendamos um alimento seco ou enlatado de qualidade.

Para cães de raças grandes, a maioria das pessoas escolhe um alimento seco, por várias razões. Os cães maiores exigem uma quantidade maior de alimentos do que os cães menores, e comida seca é fácil de transportar, armazenar e preparar. Porque comida enlatada contém uma porcentagem muito maior de água (geralmente 80-85%) do que alimentos secos (normalmente 10% ou menos), o alimento seco é geralmente mais econômico, especialmente quando os alimentos tem uma qualidade superior.

Muitas pessoas também optam por alimentar seus animais de estimação com alimentos secos na crença de que ração seca promove uma raspagem ou ação de limpar os dentes e diminuirá o acúmulo de placa bacteriana e tártaro. O alimento seco exercita a boca durante a mastigação. No entanto, a ração seca, na verdade, não fornece muito a ação de raspagem. Quando a ponta de um dente entra em contato com a ração seca, os pedaços se quebram antes que o dente penetre o suficiente nela para que a raspagem aconteça. Existem dietas odontológicos no mercado, com uma ração desenvolvida para que demore mais para quebrar, permitindo maior contato dos dentes. Isto permite mais um efeito de limpeza no dente, mas mesmo essas dietas não são um substituto para o bom atendimento odontológico. Enquanto alimentos enlatados podem promover o acúmulo um pouco mais rápido de placa bacteriana e tártaro, que irão eventualmente se acumular, não importa o tipo de alimento dado. Cuidado regular em casa, exames dentários anuais e limpezas profissionais, conforme necessário ainda é essencial para a saúde dental ideal.

Raças menores de cães, obviamente, comem menos do que os cães maiores, e portanto, alimentos enlatados podem ser mais uma opção inteligente. No entanto, os cães de raça menores costumam ter dentes mais espaçados, proporcionando áreas onde a placa bacteriana e tártaro facilmente acumulam. Às vezes, os donos dizem que seu cão está acostumado com alimentos enlatados, e se recusa a comer alimentos secos. Estes cães podem ser alimentados com comida enlatada, mas os cuidados devem ser maiores, e estes cães estão propensos a precisar de uma limpeza profissional anualmente.

Até recentemente, o alimento seco era, geralmente, recomendado na maioria das vezes para os gatos, também. Entretanto, pesquisas recentes em nutrição felina estão causando algumas reformulações nesta área. A comida seca típica do gato é bastante rica em carboidratos (geralmente 45% ou mais) e há alguma indicações de que isso possa predispor certos gatos a se tornarem obesos e, possivelmente, desenvolverem diabetes à medida que envelhecem. A dieta típica dos gatos na natureza (que normalmente é principalmente ratos e outros pequenos roedores) tem mais proteína, cerca de 45%, 45% de gordura, e apenas 4-5% de carboidratos. Alimentos secos para animais exigem um teor bastante elevado de carboidratos, para que os pedaços se juntem. No entanto, o alimento enlatado é normalmente muito mais baixa no teor de carboidratos (cerca de 10%). Alguns nutricionistas veterinários estão recomendando que os gatos, especialmente aqueles com uma tendência a obesidade, sejam alimentados com uma dieta enlatada com uma proteína, gordura e carboidratos o mais próximo possível de uma dieta ‘selvagem’. Curiosamente, os primeiros relatos parecem indicar que uma dieta enlatada não parece aumentar a doença dental nestes gatos. Mais pesquisas são necessárias, mas isso é um achado muito interessante.

É importante notar que as condições específicas de saúde podem afetar o tipo de dieta que é recomendada ao seu animal. Por exemplo, os gatos com problemas do trato urinário ou animais com doença renal podem se beneficiar do aumento da água em sua dieta, e o alimento enlatado pode ajudar nisso. Sempre consulte o seu veterinário antes de fazer quaisquer alterações na dieta do seu animal de estimação.

Marcha em defesa dos animais

passeata

Aconteceu no Brasil todo e em diversos outros países, neste último domingo, 26 de Abril, a Marcha em defesa dos animais.

O evento reuniu milhares de pessoas ao redor do mundo, onde o tema deste ano foi pedir leis mais rígidas para maus tratos aos animais, hospitais veterinários públicos, e programas gratuitos de castração nos municípios, entre outros pedidos.

Em Bauru, interior de São Paulo, o evento contou com mais de 150 pessoas, entre ativistas, defensores e simpatizantes da causa animal.

A cidade conta com um forte movimento da causa, formada por ativistas, ONGs e protetores independentes,  e recentemente conquistaram novamente a delegacia de crimes ambientais do município, que havia fechado desde 2012.

Danielle Xavier

10 motivos para castrar seu cão:

castrar dog

1. Diminuição da prevalência de neoplasias (câncer) em fêmeas

Fêmeas castradas possuem menos chances de desenvolver tumores de mama.

Pesquisas científicas idôneas comprovam que fêmeas castradas têm menor probabilidade de desenvolver tumores nas glândulas mamárias, quando comparadas às fêmeas que não foram castradas. A prática da castração diminui as chances de aparecimento da doença praticamente a zero. Este tipo de tumor é muito comum em fêmeas idosas que não foram castradas.

2. O hábito de urinar pela casa diminui, no caso dos machos

Cães castrados não precisam demarcar território e fazer xixi pela casa.

Se você está cansado de brigar com seu cão porque ele faz xixi pela casa inteira, saiba que ao castrar o seu macho ele não terá a necessidade de sair demarcando seu território, urinando pela casa.

3. O risco de fugas para a rua em machos é muito menor

Os cães perdem o instinto de sair à rua, atrás de fêmeas no cio.

No caso do macho, quando há a castração, o risco de fugir para ir atrás de uma parceira em cio se reduz a, praticamente, zero. Assim, eles podem fugir apenas para brincar com outro animal ou se verem uma pessoa, diminuindo os casos em que vão querer sair de casa.

4. O cuidado com a dieta

em animais castrados é simples

Com um controle da alimentação, as chances de seu pet ficar obeso são minimizadas.

Existem diversas formulações de ração no mercado, específicas para animais castrados, minimizando o risco de obesidade pós-castração. A prática de exercícios (caminhar, por exemplo), além de ser um hábito saudável e que os pets adoram, ajuda a controlar o excesso de peso.

Um grande mito por parte das pessoas que serve de justificativa aos donos de animais que não castram seus cachorros é o fato da castração engordar. O que é preciso entender é que a castração não engorda por si só, o que ocorre é que o animal pode ficar mais sedentário, pois acaba ficando mais calmo. Neste caso, é importante continuar incentivando as atividades físicas do mesmo, pois os exercícios espontâneos vão diminuir.

Por isso, é importante esclarecer ao proprietário essa questão, para evitar que o mesmo acredite que “apenas a cirurgia” irá engordar o seu cão.

5. Elimina o “constrangimento” com as visitas

Não haverá mais cachorros agarrando a perna das visitas.

Você já passou pela situação em que o cachorro agarra a perna de uma pessoa que foi te visitar em casa e não solta mais? Pois com a castração, você elimina este risco, pois os hormônios que desencadeiam este tipo de comportamento não são mais produzidos após a cirurgia. Isto faz com que você não precise mais passar por estes constrangimentos na presença de amigos e parentes.

6. Os machos também têm menos risco de desenvolver tumores

A castração evita a ocorrência de desenvolvimento de tumores nos testículos e minimiza os riscos de desenvolvimento de tumores de próstata, nos machos.

Animais machos, se castrados, têm uma evidente diminuição no risco de desenvolvimento de tumores na próstata, bem como, pela retirada dos testículos, durante o procedimento, anulam a possibilidade de desenvolvimento de tumores, nos mesmos.

7. Evita filhotes indesejáveis

Não haverá aquela ninhada de filhotinhos para cuidar e ter que dar depois.

Filhotinhos são muito divertidos e bonitinhos, mas dão trabalho e geram despesa. Isto é mais grave, quando se trata de uma ninhada não desejada ou quando acontece com animais que vivem soltos na rua. Desta forma, melhor do que ter que doar os filhotes toda vez que a fêmea der cria, evite os filhotes por meio da castração.

8. Facilita os passeios

Os cães não ficarão correndo atrás das fêmeas ou fazendo xixi para todo lado, tornando o passeio mais calmo.

Quem já tentou passear com seu cão e não conseguiu ter sossego porque ele não parava ir atrás de outros animais sabe como é desanimador isso. Quando castrado, o cachorro vai passear tranquilamente sem necessidade de demarcar territórios ou correr atrás de fêmeas. Fica muito mais fácil passear sem que ele fique te puxando o tempo todo.

9. Não afeta os demais instintos do animal

Em nada vai alterar o comportamento e os instintos do animal.

Não é porque ele não vai mais pensar em se reproduzir que ele ficará bravo, entediado ou não será um bom companheiro. Ao contrário, eles ficarão ainda mais dóceis e vão querer ficar perto dos donos. A cirurgia em nada vai alterar seus instintos de cão, como para proteger a casa, por exemplo.

10. Sai muito mais barato

Compensa mais pagar uma cirurgia do que gastar com ninhadas indesejáveis e tratamentos de doenças diversas.

Se mesmo depois de todas estas justificativas você ainda não se convenceu, que tal pensar no seu bolso? Quando você paga uma cirurgia (que pode custar em torno de $70 a $100), está evitando gastos com filhotes indesejáveis, tratamentos contra diversas doenças e até mesmo tempo para limpar o xixi do cachorro de casa. Viu como compensa muito mais para o seu bolso além de fazer bem à saúde do animal?

Onde castrar seu cão? Procure sempre um profissional especializado e um local de qualidade.

Fonte: http://www.bolsademulher.com/pet/vale-a-pena-castrar-seu-cachorro-10-motivos-que-o-convencerao

10 passos para dar banho no seu gato

banho gato

Sabemos que gatos não são os maiores fãs de água. Mas, mesmo assim, eles também precisam tomar um banho de tempos em tempos. É importante para o bem estar e para a saúde deles. Abaixo, confira 10 dicas para dar banho no seu bichano.

1) A primeira coisa a se fazer é colocar nos ouvidos do gatinho pequenos pedaços de algodão, para que não haja o risco de entrar água neles. Isso pode acabar causando uma otite.

2) Ligue a água antes, para que seu amiguinho não se assuste. A água deve estar morna, nunca mais fria que a temperatura corporal do gato.

3) Primeiro, molhe todo o corpo do gatinho – não molhe a cabeça por enquanto – depois ensaboe seu corpo com shampoo ou sabonete.

4) Feito isso, lave o focinho com muito, muito cuidado (apenas passando as mãos). Preste atenção para não deixar água entrar nos ouvidos e nariz.

5) Depois de tirar todo o sabão, enrole o bichano numa toalha. Evite que ele pegue correntes de ar, já que os gatos são muito sensíveis a mudanças de temperatura. Seque-o muito bem usando toalhas.

6) Se for necessário, desembarace um pouco o pelo do gatinho, penteando no sentido contrario para que possa tirar os pelos mortos.

7) Seque-o usando um secador. Mas tome alguns cuidados: ligue o aparelho e deixe que o gato se habitue ao som do mesmo. Nunca use o secador no máximo! Devagar, vá secando todo o corpo do bichano.

8 ) Agora é hora de cortar as unhas! Use um cortador de unha, ou até mesmo um cortador especial para esses casos (é possível achar em qualquer petshop). Lembre-se de não cortar demais, apenas o necessário.

9) Vamos às orelhas! Você pode utilizar um cotonete seco, ou mesmo umedecido com álcool. Limpe apenas a parte externa do ouvido, não tente limpar a parte interna. Isso pode causar lesões no tímpano do bichano.

10) Agora é só deixar o seu bichano relaxar e aproveitar a companhia dele.

Fonte: http://labovet.com.br/10-passos-para-dar-banho-no-seu-gato

15 coisas que você precisa saber sobre gatos

cat

1 – Os gatos não se julgam humanos, isso acontece com os cães. Os gatos pensam que os humanos são felinos.

2 – Infelizmente não é possível ensinar um gato a atravessar a rua.

3 – Se um gato vir algo a voar vai querer,

de certeza, apanhar. É aconselhável ter redes nas janelas de casa.

4 – Os gatos formam laços de amizade e amor entre si, com os humanos formam laços fortes de amizade.

5 – Os gatos têm sangue do tipo A e B como os humanos.

6 – O gato possuí na ponta do nariz uma impressão digital semelhante às dos humanos nos dedos. Esta impressão digital é única em cada gato.

7 – Os gatos são animais bastante inteligentes. Como caçadores solitários que são, calculam, resolvem problemas e inventam formas de caçar para sobreviver.

8 – Os gatos aprendem mais do que agem por instinto. Vão aprendendo por observação ou ensinados pela mãe a caçar e a usar a caixa de areia.

9 – O xixi do gato brilha no escuro se lhe apontar uma luz ultravioleta.

10 – A “erva de gato” ou catnip contém um óleo que deixa os pequenos felinos em transe. É possível ver um gato a morder e a lamber as folhas enquanto dá pulos no ar e se rebola no chão.

11 – Os pequenos felinos têm um órgão olfativo no céu da boca. Os gatos podem saborear os aromas com este orgão, por isso muitas vezes farejam e ficam algum tempo de boca aberta.

12 – Os gatos são dos poucos animais que mostram o que sentem com as suas expressões faciais.

13 – Os gatos transpiram pelas almofadinhas das solas das patas.

14 – Os gatos têm excelente memória.

15 – Os gatos utilizam o seu relógio biológico, a luz do Sol e o campo magnético da Terra para se orientarem. É fácil para um gato achar o caminho de volta a uma distância enorme graças a essas aptidões. Infelizmente não conseguem encontrar pessoas quando estão longe, eles não utilizam o faro.

Fonte: http://pequenosfelinos.com/15-coisas-que-precisa-saber-sobre-gatos/

Por que os cachorros lambem as pessoas?

cão lambendo dono

A maioria das pessoas pensa que um cachorro lambe pra demonstrar afeto, carinho e amor pelo seu dono. E as pessoas estão certas! Na maioria das vezes, é exatamente isso que acontece.

Na matilha, o cão ou o lobo lambe os animais que gosta. Quando os cães foram domesticados, eles trouxeram esse tipo de instinto de sua vida selvagem e transferiram esse comportamento aos seus companheiros humanos – nós!

Além de afeto, a lambida pode ser sinal também de referência/submissão. O especialista em comportamento animal Alexandre Rossi afirma que “lambidas perto do queixo ou da boca estão relacionadas com submissão” e completa: “o filhote lambe o queixo da mãe para que ela regurgite comida depois de caçar”. O cachorro adulto faz o mesmo com seu dono. Esse gesto é um sinal de que ele vê você como líder, chefe, “mãe” ou “pai”.

A língua dos cães serve pra várias coisas. Você já ouviu falar que os cães transpiram pela língua. Ela é responsável por refrescar os cães quando eles estão com calor e/ou cansados.

A lambida também auxilia na captação de sinais de outros animais, como o ato de lamber xixi na rua. Seu cachorro não é sujo, ele só está conferindo que esteve naquela região.

Morador de rua e catador de recicláveis e seus 11 cães

morador 1

Marrom, Negão e Pintado mostraram os dentes logo que me aproximei. Não estavam sorrindo. Era braveza mesmo. Mais antiga da turma, Princesa estava dentro do carrinho e, para proteger seu dono e seus filhotes, olhou desconfiada. Honrando o nome, a Enjoada também fez cara feia. Logo, todos foram acalmados pelo morador de rua José de Paula Chagas. “Deixa disso, pessoal”, disse ele. Com uma obediência admirável, todos se sentaram.

Era 11h38 desse domingo quando eu – assim como muitas famílias de Bauru – seguia para almoçar. Na Nações Unidas, encontro José, 47 anos, com seu carrinho de recicláveis. Mas não um carrinho comum. O ursinho de pelúcia surrado, os potes de sorvete vazios e os pacotes de ração mostram que, na verdade, é a casa ambulante dos seus inseparáveis 11 cães: Marrom, Negão, Pintado, Princesa, Enjoada, Luluzinha, Dog, Cirilo, Nero, Seca, Zé (xará do dono, por sinal).

“Olá. Posso falar com o senhor?”, gritei, ainda de dentro do carro. “Opa. Claro”, disse José, com um sorriso castigado pelo tempo, porém, forrado de simpatia.

Não parei o carro por acaso. Já tinha ouvido falar de José. Nos últimos dias, após ser fotografado, ele se tornou “hit local” nas redes sociais.

Ao contrário dos cães que o protegem, o catador de recicláveis não ofereceu qualquer resistência para uns 40 minutos de bate-papo. Topou de cara contar um pouco da sua história e mostrar que não ter um lar não é determinante para não dar um lar a alguém. Ou, melhor, a 11 ‘alguéns’.

“Eu sempre gostei de cães. Fui vendo eles abandonados e recolhendo. E trato muito bem. Pode faltar coisa pra mim, mas pra eles não. Compro comida pra eles com o dinheiro que consigo catando recicláveis e também com a ajuda das pessoas. Eu já passei fome. Mas, eles nunca”, conta, orgulhoso.

Orgulho que aumenta quando José mostra as carteirinhas de vacinação de todos (todos mesmo) os seus cachorros. Ele também “ostenta” os remédios que compra para eles. Na ocasião, Marrom estava com as orelhas azuis por conta de um medicamento.

Nas ruas

José chegara a Bauru há três semanas. Ele veio da Capital com “tudo o que tem”: o carrinho e os 11 cães. “Eu parava em postos e alguns lugares para eles descansarem. ‘Judia’ muito vir de uma vez”.

A Capital foi o destino de José há mais de dez anos, após um divórcio um tanto quanto traumático no Paraná. Ele, que vivia em uma propriedade rural no Estado vizinho, foi tentar a sorte em São Paulo. Acabou, contudo, encontrando só as ruas. “A gente se acostuma a viver assim”, resume, jurando não ter qualquer passagem criminal e nem envolvimento com drogas. “Esses dias, um policial me parou. Mas foi para tirar uma foto e mostrar os cachorros para a irmã dele”.

Perambulando

A vida nas ruas, entretanto, não é fácil, confessa José. Ele indica um ponto no qual havia acabado de passar a noite. “E o pior são os dias que chove. Mas daí eu pego esta lona e cubro o carrinho. Os onze se amontoam lá dentro e se protegem da chuva”.

Não é a primeira vez que José vem a Bauru. Negão foi presente dado a ele pelo dono de um restaurante da cidade. “Este aqui é bauruense. Tá voltando para casa, né?”, diz, afagando o cachorro que, antes arredio, mas, a esta altura, já lambia minha perna.

Na verdade, a mãe de José reside em Bauru. Como tantos e tantos casos semelhantes, a vida debaixo de um teto parece não contentar mais para quem acostumou a viver sob o céu aberto. “Passei a Páscoa lá. Mas não penso em morar com ela não”, conta o catador de recicláveis, que tem três filhos, inclusive, um também morando em Bauru.

Os planos do homem são modestos. Ficar alguns meses por aqui catando recicláveis e depois cair na estrada com os cãezinhos. Seus sonhos são mais amplos. “Queria uma casinha, mas na zona rural. Para que eu pudesse levar todos eles. Porque sem eles eu não vou. Quem sabe, um dia, eu tenho um sítio. Sei que é muito difícil, mas não custa sonhar, né?”.

SOLIDARIEDADE

Neste momento, a entrevista é interrompida. Um carro prata para. Uma mulher desce os vidros e dá a ele um lanche, refrigerante, dois cupcakes e R$ 5,00. Ela ainda insiste em trazer ração. Ele agradece com o mesmo sorriso de ponta a ponta que me recebeu. Antes de a motorista partir, elogia a atitude dele e diz que, se pudesse, pegava os onze cachorros para cuidar. “Mas eu não daria, não. Eles são minha família”.

Quando ela vai embora, José senta, pega o lanche e já chama a “família”. Já se passava do meio-dia de um domingo. “Não vai comer, seu José? Vai dar o lanche pros cachorros? E seu almoço?”, questiono. “Ah. Eu me viro com algo. Eles que não podem ficar sem comer, né? Ainda mais quando tem algo diferente”.

Despeço-me dele e dos onze cachorros. Vou embora para meu almoço. Levo comigo a história de José, o acolhimento por parte de quem parece não ter nada a oferecer, a simpatia e a atitude da mulher que parou para ajudá-lo de forma totalmente espontânea (“eu não gosto de pedir as coisas”, disse ele, pouco antes). Em um mundo muitas vezes cruel e inóspito, repito a frase de José quando ele falava do seu sítio imaginário: “Não custa sonhar, né?”.

Famoso na Internet

José de Paula e seus 11 cães ficaram famosos – pelo menos em Bauru e região – nos últimos dias nas redes sociais. Ao ver a “família”, a jornalista bauruense Tay Gonçalves resolveu fotografá-lo e postou nas redes sociais. Até a tarde dessa segunda-feira (13), a imagem já tinha mais de 7 mil compartilhamentos e cerca de 26 mil curtidas.

“Perguntei como fazia para alimentá-los, aí o sorriso chegou até a orelha, ‘muitas pessoas me ajudam, consigo sempre comida pra mim e pra eles’, disse o homem, que fez questão de abrir a sua pochete e mostrar que todos tinham carteira de vacinação. Ajudei com um dinheirinho e perguntei se poderia fotografá-lo, perguntou se estava bem e click… ganhei meu dia! Ainda existe gente boa nesse mundo!”, descreveu a jornalista.

A tristeza das perdas…

A “família” de José era ainda maior. Chegou a ter 16 cães. “Eu estava em São Paulo e uns rapazes me roubaram. Me empurraram e roubaram R$ 360,00. Ainda levaram alguns dos meus cachorrinhos”, conta. “Só não foi pior porque os cachorros avançaram neles e me protegeram. O Zé, coitado, tomou até uma madeirada na cabeça”.

Outro que ele se recorda com saudade é do Ursinho. Perto de Agudos, o cão foi atropelado. “Eu deixei um outro morador de rua cuidando deles rapidinho. Quando voltei, ele tinha deixado o Ursinho escapar. Você precisava ter conhecido aquele cachorro. Ia adorar ele”, conta, mostrando que ainda guarda a carteira de vacinação dele como lembrança.

E já teve quem tentou levar os cachorros, mas não conseguiu. “O Dog mesmo. Esses dias me ofereceram R$ 200,00 nele. De jeito nenhum que eu ia vender, né, Dog?”. De certa forma, o Dog parece reconhecer. No mesmo momento em que ouve seu nome, pula do carrinho e faz a maior festa para José.

Fonte: http://www.jcnet.com.br/Geral/2015/04/morador-de-rua-e-catador-de-reciclaveis–seus-11-caes.html

morador 3 morador 2

Doenças renais em cães e gatos: Hemodiálise é opção de tratamento, ainda desconhecida.

cão hemodiálise

Devido a sua alta capacidade de continuar filtrando o sangue normalmente, mesmo comprometidos, os rins só dão sinais de que estão prejudicados, quando mais de 50% de sua estrutura não está funcionando.

Por este motivo, as doenças renais, são muitas vezes silenciosas e podem levar o animal à morte em pouco tempo.

Veterinária há mais de 15 anos e especialista em nefrologia, Adriana Nogueira aponta alguns sinais que o animal apresenta quando tem alguma doença renal: “ São vários sintomas, mas os mais comuns são: pressão alta, diabetes, dificuldade de urinar, queimação ou dor quando urina, urinar muitas vezes, principalmente à noite e urina com aspecto sanguinolento, urina com muita espuma, Inchaço nos membros e face, dor lombar, que não piora com movimentos e histórico de pedras nos rins”.

Nogueira ressalta que atualmente a medicina veterinária tem evoluído e se igualado cada vez mais à medicina humana e que a hemodiálise, procedimento comum em pessoas com doenças renais, já pode ser aplicada em animais.

“Diferente dos humanos, em que a hemodiálise, muitas vezes é necessária para o resto da vida ou até que se consiga um transplante de rim, em cães e gatos, há a possibilidade de se reverter o quadro da doença, apenas com algumas sessões”, explica a veterinária.

Adriana é a veterinária responsável pela primeira clínica especializada em doenças renais de Bauru, a Renalvet, que já está atendendo pacientes de toda a região.

A clínica oferece todo o tratamento para animais nefropatas incluindo hemodiálise e diálise peritoneal, além de toda a assistência com internação 24 horas e enfermagem treinada.

A Renalvet fica localizada na rua Araújo leite, 38-70, próximo ao aeroclube de Bauru.

matéria: Danielle Xavier

adriana vet 1

Veterinária: Adriana Nogueira

Depoimento de meu amigo Éderson Ribeiro e sua cachorrinha Pitucha.

ederson e cachorra

E se eu te contar que Deus enviou ela pra mim?
Na virada do ano novo ela veio com medo dos fogos e se escondeu de baixo da cadeira da minha mãe. Minha mãe colocou ela pra dentro de casa e eu a abracei. Ela estava tremendo de medo, aí eu comecei a cantar uma canção de ninar e ela foi se acalmando e dormiu em meus braços, com os fogos estourando.
Daí eu falei que ela era minha cachorrinha Pitucha e ela aceitou o nome, e não saiu da presença deste lar. Mesmo que alguém a expulsasse, ela não ia embora; então ela passou a ser minha Pitucha e eu a amo como minha cachorrinha que Deus me deu.

Danielle Xavier

Pirlo: Um Vira-Lata de Muita Raça

Pirlo

Olá amigos!

Estou colocando abaixo, a sinopse do livro do meu cachorrinho: Pirlo – Um Vira-Lata de Muita Raça.

Lambeijos!

O que fazer quando seu animalzinho de estimação, que você tanto ama, é diagnosticado com uma terrível doença em fase terminal?

Assim como ficamos atordoados quando recebemos a notícia de que um ente querido ou um amigo tem pouco tempo de vida, as novas podem ter o mesmo impacto e proporção quando se trata de um animal.

Conheça neste livro a história do cãozinho Pirlo, que foi identificado com uma doença renal crônica já em fase final e saiba como a sua fiel cuidadora fez para lutar ao lado dele, trazendo qualidade de vida e alegria aos seus últimos meses vividos.

A autora faz uma narrativa de todas as emoções e dificuldades que enfrentou, retratando ainda todos os seus conflitos interiores, assim como a sua rotina diária de amor, carinho e loucuras para salvar seu melhor amigo.

Pirlo, um cãozinho forte, que, mesmo tendo uma grave doença, se mostrou valente e com muita vontade de viver.

Este livro mostra que o caminho de quem decide lutar até o fim pela vida de seu animalzinho pode ser longo e árduo, porém gratificante e repleto de amor.

Até quando lutar por seu animalzinho? Descubra a resposta por meio da emocionante história de Pirlo — um vira-lata de muita raça!